.
.

Acessibilidade

Aumentar Fonte
.
Diminuir Fonte
.
Fonte Normal
.
Alto Contraste
.
Libras
.
Vlibras

O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Mapa do Site
.
Acesso à informação
.

Atendimento ao público, de segunda-feira a sexta-feira, das 8 horas às 11 horas e das 13 horas às 16h30. 

Idioma

Português

English

Español

Francese

Deutsch

Italiano

Turismo - Sexta-feira, 30 de Abril de 2021

Buscar Notícia

Notícias por Categoria

No Dia do Ferroviário, maquinista recorda os 25 anos nos trilhos

Condutor da Maria Fumaça, Antônio Passos conta que trabalho na ferrovia se diferencia pela emoção


No Dia do Ferroviário, maquinista recorda os 25 anos nos trilhos

Há 25 anos na ferrovia, Antônio Tavares Passos, 64 anos, se orgulha de preservar até hoje a mesma emoção de quando iniciou a trajetória como maquinista. Para ele, o dia do Ferroviário, comemorado hoje, 30 de abril, traz de volta o saudosismo dos tempos em que a ferrovia despertava a emoção nas pessoas. “O bom era o romantismo que envolvia as viagens de trens”, destaca. 

Antônio Passos nos primeiros anos como maquinista

 

O maquinista, que é de Assis e que há 3 anos está no comando da Maria Fumaça em Paraguaçu, recorda quando iniciou no mundo dos trilhos em meados de 1978 pela Ferrovia Paulista S.A (Fepasa). “O pai de um amigo trabalhava na ferrovia em São Paulo e nos convidou para passear e conhecer seu trabalho. Chegando lá, ele falou que tinha uma vaga e não pensei duas vezes”, conta Passos que começou na função de agente de segurança da ferrovia até se tornar, 2 anos depois, ajudante de maquinista.
 

Foi conhecendo a rotina do maquinista que o sonho despertou. “Era uma sensação gostosa conduzir o trem. Isso me gerou gosto profundo pela ferrovia”, conta. 

 

Após 8 anos, Antônio realizou a primeira viagem como maquinista. “Sai com uma locomotiva com 27 carros lotados de passageiros e aquilo foi muito emocionante”, lembra. “A pessoa podia passear dentro do trem, se socializar, fazer amizades. As pessoas podiam se divertir e, por isso, escolhiam a viagem de trem que durava mais de 11 horas ao invés de ir de ônibus que levava metade do tempo”, compara.

 

Antônio junto da família na cabine da locomotiva

O maquinista agora aguarda a retomada dos passeios de Paraguaçu até Sapezal a frente da locomotiva Maria Fumaça. “É um prazer ainda poder conduzir nessa idade um trem que carrega tanta história. Não vejo a hora de poder voltar tudo ao normal”, diz Antônio que já tomou a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

 

“O trem é história e eu nunca trabalhei na ferrovia por obrigação. Sempre foi por amor e sempre sinto a mesma emoção”, definiu.

Antônio Passos atualmente está à frente da Maria Fumaça, em Paraguaçu


 

1272 Visualizações

Notícias relacionadas

Voltar para a listagem de notícias

.
.

Calendário de eventos

.
.

Acompanhe-nos

.
.

Prefeitura Municipal da Estância Turística de Paraguaçu Paulista - SP.
Usamos cookies para melhorar a sua navegação. Ao continuar você concorda com nossa Política de Cookies e Políticas de Privacidade.